Powered by Blogger.
RSS

Descobrindo o Amor

Foto da web


Perguntaste-me se te amava. Eu respondi que não sabia. Que não sabia o que era o amor. Mas que ia descobrir.
A primeira ideia que tive foi ir ver no dicionário. Foi uma má ideia. Percebi isso, mesmo antes de ler. Dizia:

“Amor: substantivo, masculino, paixão, afecto”.

Muito técnico! E porquê “paixão”?  Sempre pensei que paixão fosse diferente de amor. Pode existir paixão sem amor… mas amor sem paixão…?
Ainda assim, já é um começo.
Talvez na música encontre mais alguma coisa…:

“Wise man say only fools rush in, but I can’t help falling in love with you…”

Conheces?
O que é que me diz? Que o amor é mais forte que nós, mais forte que a razão. Mas deve ser mais forte ainda que isso.
Então lembrei-me daquele verso:

“Amor é fogo que arde sem se ver
É ferida que dói e não se sente
É um contentamento descontente
É dor que desatina sem doer”

O que é que Camões tentou dizer? Talvez que o Amor não se consegue definir, que não se consegue descrever.
Agora percebi! A resposta não está escrita em qualquer livro perdido. A resposta está dentro de mim.
Perguntaste-me se te amava. E eu disse que não sabia. Que não sabia se era amor, mas que queria descobri-lo… contigo.
E tu deste-me a mão.



  • Digg
  • Del.icio.us
  • StumbleUpon
  • Reddit
  • RSS

11 comments:

Dulce Morais said...

Uma sábia pessoa me disse um dia: "Há tantas definições para o amor como há amores para definir".
Gostei muito, Isa!
Beijinhos!

=> Crazy 40 Blog
=> Pense fora da caixa
=> Tubo de Ensaio
=> MeNiNoSeMJuIz®

Isa Lisboa said...

Muito obrigada, Dulce!
É uma linda definição, essa, obrigada por a partilhares!

beijinhos

Isa Lisboa
=> Instantâneos a preto e branco
=> Os dias em que olho o Mundo
=> Pense fora da caixa
=> Tubo de ensaio

danka maia said...

Leve e fulgente! Lindo Isa!

Vinícius said...

Já leu I Coríntios 13? Pra mim, amor ta lá.

Isa Lisboa said...

Obrigada, Danka!

Isa Lisboa said...

Vinicius, o amor é algo tão poderoso e tão positivo que podemos encontrá-lo em muitos lugares.
Obrigada pelo seu comentário.

mochiaro said...

UM TEMA BEM ESCOLHIDO PARA UMA ANÁLISE MAIS PROFUNDA.
SE AMOR SE DEFINE SIMPLESMENTE COMO PAIXÃO E A PAIXÃO É TIDA COMO GOSTO OU AMOR INTENSO MEXENDO COM A RAZÃO FOI BOM MESMO DEIXAR ESSA PALAVRA NUMA EXISTÊNCIA NULA.
FOSTE OPORTUNISTA EM CITAR CAMÕES EM VERSOS QUE DEFINEM O QUE NÃO TEM DEFINIÇÃO.
AÍ SIM, VOCÊ PROCUROU A RESPOSTA NO SEU INTERIOR E TAL COMO AS DIGITAIS NUNCA SÃO IGUAIS UM PARA COM OS OUTROS.
AO TOCAR, NO CALOR, EM SENTIMENTOS A MÃO LHE OFERTOU UMA RESPOSTA.
UM ABRAÇO

Cris Campos said...

Isa,

É a melhor forma de entender o amor, juntos. Lindo minha querida! Gr. Bj.!

Isa Lisboa said...

Obrigada, mochiaro e Cris!
Abraço

Carlos Moraes said...

Cris, se seu texto pedisse a definição de amor, eu citaria Hegel... mas a sua descoberta, e sensibilidade, nos remete a Neruda:

" Finalmente sou livre,
no interior das pessoas
no meio das pessoas, vivo como o ar;
e da solidão encurralada saio para a
multidão dos combates,
livre, pois na minha mão vai a tua mão,
conquistando alegrias indomáveis..."

Isa Lisboa said...

Fico sensibilizada pela referência a Neruda, assim tão pertinho de um texto meu! Muito obrigada!

Post a Comment

Publicações populares